Perguntas frequentes InovaSUS

É normal sim! Não vai aparecer nada lá, pois esse é um espaço para registrar informações referentes aos cursos da Comunidade de Práticas, os projetos do Prêmio InovaSUS não aparecem nesse sistema.

Não. Os autores só terão a informação sobre a avaliação dos projetos no dia 5 de fevereiro, quando o resultado da avaliação for divulgado. Por isso, não há como acessar as notas parciais dos projetos.

Isso é um problema no navegador que você está usando, é preciso limpar o cache do seu navegador. Outra forma de solucionar é tentar utilizar outro computador... pode ser que resolva!

Não há como os autores visualizarem a avaliação dos seus projetos. Essa visualização que vocês estão fazendo não se refere ao Prêmio Inova SUS, mas a todos os relatos de experiência e projetos da Comunidade de Práticas. A avaliação do Prêmio acontece em outro sistema.

Lembra que para fazer as avaliações dos projetos você precisou entrar no link enviado pelo e-mail?! Pois é... os resultado ficam guardados, pois estamos participando de um Prêmio, não é mesmo?! Por isso, não se preocupe, seu projeto está participando da avaliação e está sendo apreciado por vários autores de outras regiões do país! Aguarde o resultado dia 5 de fevereiro.

No Concurso do Prêmio InovaSUS - Gestão da Educação na Saúde a primeira etapa de avaliação funciona pares. É um método que propõe a você e aos outros participantes do edital, que querem desenvolver projetos como o seu e que também experimentam os desafios cotidianos de construir processos de educação permanente em saúde e integrar ensino-serviço-comunidade, uma avaliação conjunta. Isso quer dizer que todos os inscritos no concurso são parte da comissão avaliadora!

A avaliação entre pares é uma forma de reconhecer os saberes de cada trabalhador e trabalhadora, uma maneira de vivenciar a construção colaborativa de conhecimentos. Isso acontece à medida que entramos em contato com ideias de diferentes lugares do país e exercitamos a análise de cada uma delas, a partir dos critérios propostos pelo edital.

Sim. Como estamos falando de um concurso, todos os participantes precisam cumprir todas as etapas propostas pelo edital, portanto, a avaliação entre pares dos cinco projetos é obrigatória.

Se o autor não realizar a avaliação no prazo determinado pelo edital (até às 23h59min do dia 4 de fevereiro de 2016), o projeto será desclassificado. Ou seja, todos os projetos serão avaliados por pares e quem inscreveu o projeto (autor) é o responsável por articular com os co-autores para realizar a avaliação.

Atenção: O link que disponibiliza a avaliação foi enviado para o e-mail do autor.

Você pode confirmar essa informação na página do Prêmio InovaSUS. Há uma lista com todos os projetos homologados que fazem parte da avaliação entre pares.

Para confirmar, acesse aqui e role a página até o seu número de inscrição. A lista pode ser visualizada clicando no botão Projetos Homologados para Avaliação entre Pares, ao lado esquerdo.

Faça login na Comunidade Práticas e acesse o link enviado por e-mail.

Se ainda tiver dificuldade, você pode acessar aqui um passo-a-passo com as telas que vão surgir no caminho para realizar a avaliação entre pares.

Confira na sua caixa de e-mail, inclusive na pasta de spam, as mensagens dos dias 4 e 5 de janeiro. Foi nessas datas que enviamos os e-mails com o link que dá acesso a avaliação.

Não se preocupe, está tudo certo. Avalie esse projeto e assim que você terminar, automaticamente outro irá aparecer e assim sucessivamente, até completar o número de cinco projetos, que é o compromisso de avaliação entre pares de todos os participantes do Prêmio.

Primeiramente, confira aqui se seu projeto foi homologado. Na página, vá até onde aparece seu número de inscrição. A lista fica ao lado esquerdo do número e se chama Projetos Homologados para Avaliação entre Pares. Se o nome do projeto estiver na lista, procure no seu e-mail.

Atenção: Não esqueça de olhar também na pasta de spam, o link foi enviado nos dias 4 e 5 de janeiro, procure nessas datas.

Se você for um co-autor, isso é, não é o autor que inscreveu o projeto na página da Comunidade de Práticas, procure o autor que o inscreveu para que façam juntos as avaliações. O link para acessar os projetos que devem ser avaliados está no e-mail dele.

Esses relatos que você avaliou não fazem parte do Prêmio InovaSUS. Eles compõem o acervo da Comunidade de Práticas.

Você vai perceber que as perguntas que norteiam a escrita desses relatos são diferente das que você respondeu para escrever seu projeto. Não há problema em avaliá-los, pois você acabou de participar da lógica colaborativa desse espaço virtual e está contribuindo com outros trabalhadores do SUS, mas... Para avaliar entre pares os projetos do Prêmio InovaSUS só existe um caminho: Acessar o link que foi enviado para o e-mail do autor que o inscreveu.

Troque de navegador ou atualize o que você utilizando. O problema deixará de acontecer e você vai conseguir realizar as avaliações.

Sim. Você sempre vai iniciar acessando o link do e-mail que vai lhe mostrar os trabalhos a serem avaliados.

Atenção: Se você não encerrar a avaliação de um projeto, quando retornar para o link não há garantias de que o sistema sorteie o mesmo projeto para você continuar. Por isso é importante terminar uma avaliação já iniciada, porém não há necessidade de avaliar todos os projetos ao mesmo tempo.

Não. A premiação é por região do país. Nosso sistema de atribuição de projetos está configurado para que nenhum autor receba projetos da região que pertence.

Quando você finaliza a avaliação dos cinco projetos aparece a seguinte tela com a mensagem: Atenção! Você já avaliou o número máximo de resultados permitidos.

A equipe do Prêmio irá divulgar aqui duas listas parciais dos projetos que estão com tudo ok. A divulgação será no dia 19, para quem realizou a avaliação até dia 18; no dia 26, para quem realizou até o dia 25; e também nos dias 29,2,3 (sempre informando as avaliações finalizadas até o dia anterior). Depois é só o resultado final no dia 5!

Não perca a chance de deixar tudo confirmadinho! Faça a avaliação com antecedência para ter tempo de confirmar sua realização.

Os projetos homologados cumpriram com os seguintes requisitos:

  • Responderam a todas as perguntas norteadoras;
  • Inseriram pelo menos uma foto;
  • Enviaram um Termo de Representação conforme modelo do edital;
  • Cumpriram os requisitos definidos para cada modalidade*

*Na modalidade I e Modalidade II dialogou com os temas propostos e teve pelo menos uma instituição de formação médica como uma das proponentes do projeto.

Nessa etapa do Prêmio não é possível realizar nenhuma alteração nos projetos, pois já estão em processo de avaliação.

Porém, quando as etapas de avaliação encerrarem, os projetos poderão ser complementados, autores poderão ser inseridos ou qualquer outra mudança desejada poderá ser realizada.

Após a curadoria, todos os projetos homologados foram publicados na Comunidade de Práticas.

É uma iniciativa do Ministério da Saúde, por meio da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES), que ocorre desde o ano 2011 no intuito de reconhecer, incentivar, valorizar e premiar projetos do Sistema Único de Saúde. Se quiser conhecer mais sobre o Prêmio, acesse a PORTARIA Nº 244, DE 29 DE SETEMBRO DE 2015, que regulamenta o Concurso.

Tradicionalmente o InovaSUS abordava experiência da Gestão do Trabalho e nessa quinta edição, além da Gestão do Trabalho, o prêmio vai contemplar projetos a serem desenvolvidos na Gestão da Educação na Saúde.

Os temas propostos pelo Edital I estão subdivididos a partir de duas grandes modalidades: I- Educação Permanente em Saúde para o SUS; II- Integração Ensino-Serviço-Comunidade.

Na Modalidade I, Educação Permanente em Saúde para o SUS, os temas são:

  1. Análise e mudança do processo de trabalho das equipes de saúde da gestão e da atenção do SUS;
  2. Compartilhamento de saberes e construção de redes colaborativas;
  3. Ações educacionais voltadas a qualificação dos trabalhadores e formação de preceptores;
  4. Reconhecimento da dimensão educativa do trabalho nos processos de certificação pelas instituições de ensino;
  5. Material pedagógico produzido em conjunto entre instituições de ensino e serviços de saúde;

Na Modalidade II, Integração Ensino-Serviço-Comunidade, os temas são:

  1. Implementação das novas Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de Medicina;
  2. Fortalecimento do processo de contratualização dos Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde;

Os projetos inscritos no edital Gestão na Educação em Saúde podem abordar diversos assuntos que estejam articulados com um ou mais temas das modalidades.

Sim! Você pode se inscrever nos dois editais, o da Gestão do Trabalho e o da Gestão na Educação, com projetos diferentes. No edital da Gestão da Educação Permanente você pode se inscrever nas duas modalidades, Educação Permanente em Saúde e Integração ensino-serviço-comunidade, articulando assuntos em um ou mais temas dentro dessas modalidades.

Mas, atenção: uma mesma instituição só pode se inscrever uma vez em cada modalidade!

A diversidade de conceitos de Educação Permanente é grande! De acordo com a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde (PNEPS) esta pode ser entendida como a “aprendizagem no trabalho, onde o aprender e o ensinar se incorporam ao cotidiano das organizações e ao trabalho”. Dessa maneira, compreendemos que ela “é feita a partir dos problemas enfrentados na realidade e leva em consideração os conhecimentos e as experiências que as pessoas já têm” (BRASIL, 2009, p.20). É muito importante destacar que a integração ensino-serviço-comunidade é também educação permanente, promovida entre trabalhadores e estudantes, no processo de ensino-aprendizagem.

Podemos dizer, em linhas gerais, que são todas as práticas nas quais “aprendemos-fazendo” dentro do contexto de saúde específico do SUS. Seja coletiva ou individualmente, toda vez que nos deparamos com uma situação nova e procuramos aprender com e por meio dela, acessando saberes prévios (nossos e dos outros), e também novos conhecimentos (quando preciso), praticamos a Educação Permanente.

O reconhecimento de práticas em Educação Permanente depende muito do olhar que lançamos sobre aquilo que fazemos. No ambiente de trabalho, reconhecemos as práticas em EP quando o processo de aprendizagem é caracteristicamente participativo, e emerge das experiências e do cotidiano de trabalho.

Alguns exemplos: debates e reflexões entre o grupo de trabalhadores sobre mudanças institucionais ou políticas; troca de experiências, diálogo e exercício de escuta entre os trabalhadores que visem melhorar ou transformar o fazer cotidiano; práticas de cuidado e acolhimento no ambiente de trabalho; participação ativa dos trabalhadores na gestão de seu setor; conversas de corredor e no cafezinho nas quais ocorrem processos de aprendizagem sobre o trabalho etc.

Trata-se de uma estratégia de Educação Permanente em Saúde que propõe que o SUS seja um lugar de aprendizagem entre trabalhadores, estudantes e usuários do serviço de saúde, a partir de um pacto firmado entre instituições de ensino e de gestão municipal e/ou estadual da saúde. A proposta é vivenciar, com a participação da comunidade, um ambiente de trocas de saberes, experiências, vivências, conhecimentos, afetos e tantas outras trocas que o encontro permitir. Com isso pretende-se aperfeiçoar e qualificar a prática nos serviços e os processos de aprendizagem dos envolvidos.

A integração dos futuros profissionais no processo dos serviços também busca valorizar o trabalho multidisciplinar- interdisciplinar, envolvendo trabalhadores de várias áreas da saúde e estudantes de diferentes graduações e residências, reconhecendo a riqueza desse encontro para a promoção do aprendizado mútuo e a organização do processo de trabalho.

Outro ponto importante da integração ensino-serviço-comunidade é compreender que todos os atores são corresponsáveis pelo cuidado do serviço e da saúde de cada território, considerando sempre a participação dos usuários, para fazer dessa dinâmica uma orientação para todos os processos de formação e desenvolvimento de trabalhadores e estudantes.

As Instituições de Ensino Superior (IES) e os serviços de saúde há muitos anos criam e desenvolvem instrumentos de cooperação, parcerias ou convênios para formalizar a realização de práticas de integração ensino-serviço-comunidade nos espaços da rede do SUS de atenção à saúde.

Para potencializar e aprimorar esse processo, o Ministério da Saúde em parceria com o Ministério da Educação oferta alguns programas e ações de apoio às atividades de integração ensino-serviço-comunidade desenvolvidas entre instituições de Ensino Superior e Secretarias de Saúde municipais e estaduais, tais como:

  • Programa de Educação pelo Trabalho (PET-Saúde);
  • Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde (Pró-Saúde);
  • Vivências e Estágios na Realidade do Sistema Único de Saúde (Ver-SUS);
  • Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde (COAPES);
  • Formação de Docentes e Preceptores;
  • Reformulação dos indicadores do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES);
  • Apoio para a implementação das Novas Diretrizes Curriculares Nacionais de Medicina;
  • Apoio para a reformulação das Diretrizes Curriculares Nacionais de outros cursos.

Todos os trabalhadores e gestores do SUS e professores das instituições de ensino que tiverem projeto em desenvolvimento ou ideias para desenvolver no SUS podem se inscrever! É só importante observar que antes de se inscrever deve ter um termo assinado pelo gestor máximo da instituição que estiver representando (Dá uma espiada no Anexo 2 do edital para ver como é esse termo!). E antes de se inscrever é importante, também, verificar qual instituição será parceira para receber os recursos.

Basta clicar no link a seguir: https://cursos.atencaobasica.org.br/evento/17140. O primeiro passo para submeter um projeto é ter seu perfil completo, com foto, na Comunidade de Práticas (CdP)! Em seguida é só fazer a sua inscrição no evento InovaSUS da CdP e responder a todas as perguntas do relato de experiência.

Este projeto é também um relato de experiência e, por isso, ele deve conter pelo menos uma foto de capa. Depois que considerar seu projeto pronto, antes do final do período de inscrição, é só solicitar a publicação do seu relato! Pronto! Projeto submetido com sucesso e aguardando o início da curadoria!

Vale lembrar que: para realizar a inscrição é obrigatório anexar o Termo de Representação, que você encontrará no anexo II do edital, e pelo menos uma foto que represente o seu relato. IMPORTANTE também dizer que você poderá editar e aperfeiçoar o seu projeto durante todo o processo de curadoria, portanto, o mais urgente para este momento é anexar o Termo e a foto para garantir sua inscrição até dia 16/11/2015!!!

Ao término de sua inscrição aparecerá automaticamente na tela uma mensagem confirmando que a mesma foi realizada com sucesso. Após isso, será iniciada a etapa de preenchimento do relato. Uma dica é conferir as perguntas a serem respondidas em seu relato. Elas devem ser iguais àquelas elencadas no item 5.3. do Edital INOVA-SUS 2015 - Gestão da Educação na Saúde. Caso sejam diferentes, procure auxílio na Comunidade do Prêmio InovaSUS (https://cursos.atencaobasica.org.br/curso/premio-inovasus-gestao-da-educacao-na-saude).

É só entrar na página de inscrição, quando estiver logad@ na CdP, verificar no seu número de inscrito e logo abaixo dele clicar em “editar inscrição”. Você vai poder modificar o arquivo da representação, ou adequar também as instituições.

O projeto pode ser uma ideia nova, um desejo, algo que será desenvolvido a partir do incentivo do Prêmio InovaSUS. Mas, pode também ser uma experiência que já acontece no SUS, na sua unidade de saúde, por exemplo, e que com o InovaSUS vai ser ampliado, qualificado ou ganhar um novo fôlego!

O relato de experiência poderá ser editado em dois momentos. Primeiro até o último dia do período de inscrição, quando o autor deve solicitar a publicação do relato. Em seguida começa o período da curadoria e aí os autores poderão fazer alterações a partir das trocas com o curador. Quando se encerra o período de curadoria, se encerra a possibilidade de alterações no relato de experiência. Isto é, o projeto não pode mais ser alterado, para que possa passar pela avaliação entre pares e pela Comissão Avaliadora.

Os projetos apresentados no Prêmio InovaSUS podem ter um ou mais autores. Funciona assim, o autor principal, deve fazer a inscrição no prêmio e ser o nome citado no Termo de Representação (Anexo 2). No momento em que iniciar o preenchimento do Relato de Experiências, ou seja, a submissão do projeto, poderá convidar outras pessoas para serem co-autores desse relato. Essa ferramenta permite uma escrita colaborativa, com todos os envolvidos no projeto participando! Todos os co-autores poderão editar o relato, sendo o autor principal o responsável pelo texto final no prêmio, já que foi ele quem fez a inscrição.

As instituições participantes do prêmio são as Secretarias de Saúde e suas unidades vinculadas, Consórcios Públicos Municipais, Fundações Públicas Municipais e Estaduais; e Instituições de Ensino Públicas e Privadas sem fins lucrativos que tenham, obrigatoriamente, curso de graduação em Medicina. Essas instituições podem participar também criando parcerias, com projetos colaborativos, onde uma das instituições deverá ser indicada para receber o recurso, que será repassado por meio de Carta Acordo pela OPAS.

O projeto colaborativo articula diferentes organizações, instituições e entidades em um único projeto, definindo entre as instituições parceiras uma única instituição para receber o recurso do projeto, lembrando que essa instituição terá que estar apta a realizar uma carta acordo com a OPAS. A ideia dos projetos colaborativos é fortalecer as ações, pensando nas parcerias que podem ser construídas para concretizar o desenvolvimento da educação permanente e da integração ensino-serviço-comunidade no SUS.

A Carta Acordo é um instrumento de repasse de recursos financeiros que são especificamente direcionados a um determinado produto de um projeto mais amplo, estabelecido entre a Organização Pan Americana de Saúde (OPAS) e uma instituição. No caso do Prêmio InovaSUS Gestão da Educação em Saúde, existe o recurso total disponibilizado para o edital, o qual será distribuído aos vencedores do prêmio, mediante a assinatura de cartas acordos com cada um deles, com duração máxima de 18 meses. No momento da inscrição o autor principal do projeto terá que indicar a instituição que fará a carta acordo com a OPAS, caso seu projeto seja um dos vencedores.

É importante que a instituição indicada na inscrição para receber os recursos pela OPAS possa apresentar, no prazo de dez dias após o resultado final do Prêmio InovaSUS, os seguintes documentos:

  1. Cópia do CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica);
  2. Cópia do Estatuto Social, quando pertinente;
  3. Cópia da ata de nomeação do responsável legal da Instituição;
  4. Cópia do Regimento interno;
  5. Cópia da tela do Portal da Transparência – Cadastro das Entidades Privadas Sem Fins Lucrativos Impedidas;
  6. Cópia do Relatório de Auditoria sem ressalva com data não inferior a 2 (dois) anos, quando pertinente; (Não será exigida, tal documentação, apenas de Universidades Federais)
  7. Indicação do Coordenador Técnico do Projeto na Instituição beneficiária;
  8. Solicitação de Carta Acordo;
  9. Planilha Orçamentária;
  10. Orçamento Detalhado;
  11. Cronograma de Execução Mensal por Atividade;
  12. Cronograma de Execução Mensal por Elemento de Despesa;
  13. Declaração de Cumprimento das Leis Nacionais;
  14. Certidões negativas de encargos sociais e tributários vigentes; (Disponível para emissão em: www.receita.fazenda.gov.br );
  15. Dados bancários – banco, agência e conta-corrente a ser utilizada para gestão do projeto a ser financiado por meio da OPAS/OMS ou Guia de Recolhimento da União – GRU, devidamente preenchida, quando pertinente.

Atenção!!! Se esses documentos, que podem ter seus modelos encontrados nos anexos do edital, não forem apresentados dez dias após o resultado final do Prêmio InovaSUS, o projeto será desclassificado!

Não. Os documentos devem ser enviados dez dias após a divulgação do resultado final, para fins de elaboração da carta acordo que permitirá o repasse do recurso. Caso os documentos não sejam apresentados, a proposta pode ser desclassificada, por isso é imprescindível que a instituição se certifique de que será possível apresentá-los no prazo determinado.

A curadoria é um movimento que já acontece em outros espaços, sobretudo em mostras de arte e cultura. A proposta do curador é explorar e refletir criticamente sobre o projeto junto ao autor, realizando a tentativa de valorizar o trabalho e dar ênfase nos principais pontos. O curador não tem a intensão de avaliar/julgar o projeto, mas de acolher e ajudar a qualificar a apresentação do projeto. O curador é um curioso que torce pelo autor!

O primeiro passo da curadoria será a homologação dos relatos! Isso significa verificar se os projetos apresentados responderam a todas as perguntas do Relato de Experiência, se foi inserido foto de capa no relato, se o Termo de Representação conforme modelo do edital foi enviado e se o perfil de todos os autores estão completos, incluindo suas fotos!

Em seguida começa uma conversa entre o autor e o curador. Com a ideia de qualificar a apresentação desse projeto. Essa conversa ocorrerá por dentro da Comunidade de Práticas, no próprio projeto/relato de experiência que ainda não estará público! Então os autores devem ficar atentos ao seu e-mail cadastrado na Comunidade de Práticas e aos seus relatos no período da curadoria estabelecido pelo edital. O relato de experiência só será publicado na Comunidade de Práticas após o período de curadoria, desde que atendam aos critérios de homologação, quando se iniciam as avaliações entre pares.

Conforme apontado no Cronograma (https://cursos.atencaobasica.org.br/sites/default/files/cronograma_retificado_2.pdf), este processo ocorrerá no período de 17/11/2015 a 17/12/2015.

Após o processo de curadoria, os relatos que forem homologados serão publicados na Comunidade de Práticas. Bora caprichar, minha gente!

Segundo as normas da própria Comunidade de Práticas, os autores não são obrigados a incorporar as sugestões do Curador no seu relato. No entanto, como a Curadoria é parte importante da CdP e do Prêmio InovaSUS, são obrigados a interagir e responder as questões levantadas pelo Curador, lembrando que esse é um espaço de diálogo e construção conjunta.

Depois que todos os relatos de experiências com os Projetos do InovaSUS estiverem publicados, o sistema irá designar aleatoriamente, para os autores, outros cinco projetos para serem avaliados. Nesse período os autores devem ficar atentos aos seus e-mails do perfil da Comunidade de Práticas, pois vão receber as notificações por ali. O autor pode se recusar a avaliar um determinado projeto, mas, neste caso, um novo projeto será designado a ele e ainda, assim, terá que fazer as cinco avaliações.

Na avaliação entre pares não há competição. Já que os prêmios são por região do país. Então um autor que está no sudeste poderá avaliar um projeto da região norte, mas nunca da região sudeste.

Não. Após a avaliação entre pares, os 20 melhores projetos de cada região, classificados por modalidade, serão enviados para a Comissão Avaliadora.

Os projetos com melhor resultado na avaliação entre pares seguirão para classificação junto a Comissão Avaliadora.

Cada avaliador vai atribuir ao projeto um ou mais termos de acordo com a sua descrição, e cada termo tem um valor de pontuação. Veja abaixo o que cada termo significa:

  1. Inovação: demonstrar elementos novos na formulação da iniciativa. Entende-se por iniciativa inovadora aquela que introduziu novos processos, produtos, práticas, programas e políticas.
  2. Aplicabilidade: apresentar elementos conceituais, estratégicos ou metodológicos que possam ser aplicados em situações reais. Entende-­se por aplicabilidade, a particularidade daquilo que é viável de ser implantado.
  3. Humanização: demonstrar dimensões de humanização das relações de trabalho no SUS.
  4. Caráter Educativo: reconhece e fomenta processos de aprendizagem que acontece no cotidiano do trabalho em saúde.
  5. Participação do trabalhador: os trabalhadores que vivenciarão as propostas dos projetos tem participação na construção do mesmo.
  6. Promoção da Equidade nas dimensões de Gênero e Acessibilidade: para os trabalhos que demonstrarem a incorporação das dimensões de gênero, raça e acessibilidade.
  7. Sustentabilidade: demonstrar que a experiência consegue se manter ao longo do tempo. Entende-se por sustentabilidade uma experiência que apresente características duradouras e que permita a manutenção, longevidade e readequações das iniciativas para seguirem acontecendo.
  8. Articulação com as necessidades de saúde do território e/ou necessidades dos trabalhadores do SUS: os trabalhos analisam a realidade onde estão inseridas e dialogam com elas.
  9. Participação dos usuários: o projeto prevê participação de usuários.

É legal conhecer os significados dos termos para a avaliação, de forma que eles ajudem a nortear a escrita do projeto.

A Comunidade de Práticas (CdP) é um ambiente virtual que preconiza a colaboração horizontal e o compartilhamento de saberes e experiências entre os trabalhadores através de relatos de práticas, comunidades de discussão, cursos e eventos (como o Prêmio InovaSUS – Gestão da Educação).

O espaço virtual deseja superar as barreiras da distância e do isolamento com o uso de ferramentas web, apresentando-se como um dos únicos dispositivos no Brasil a potencializar o encontro entre as pessoas que constroem o cotidiano do SUS.

Veja mais aqui

Não. Todos os cursos da área da saúde podem fazer parte do edital, basta eles terem um projeto que dialogue com os temas propostos em cada modalidade. Apenas na modalidade de Integração-ensino-serviço comunidade será necessário o envolvimento em projetos colaborativos de instituições de ensino com cursos de medicina.